sábado, 19 de janeiro de 2008

inverta sua última face

um pescoço esticado
os olhos fechados
o doce cheiro na pele
carne macia e leve

quer que eu leve
lhe deixo em drama e carência
lembrar do que não se esquece?
és o frasco de minha essência

Um comentário:

Débora disse...

Você
Débora

quando te vejo no meu pensamento
seus olhos entre névoa e sombra despovoam a minha alma
quando me falas no meu pensamento
passam em mim a música de tudo aquilo que estava silencioso
a voz das estrelas, das pedras, das nuvens, das flores, a voz do teu beijo
quando me dizes "paixão" me abro como uma flor na primavera