domingo, 16 de março de 2008

é bom odiar

quanto bom é poder odiar sem ter ressentimento
mesmo sendo por um momento
quanto bom é poder odiar e dizer e ser ouvido
mesmo sendo por um amigo

a marca que finca, fica, e fincada então fiquei
como pedra que muda mas não rapidamente
sem pressa vou seguindo porque ouvi e sei
um codinome de quinze páginas inconsequentes

fome de estar, fome de ser
ocupado para escutar, ocupado para dizer
pessoas vem, pessoas vão
mas pessoas nem sempre são

então fico para ser e assim vou preenchendo
sentimentos de um recalcado ciumento
escondendo marca em uma gostosa emoção
dois em um como numa vulgar promoção

Um comentário:

Débora disse...

Me leva pra cama e me odeia
:D